domingo

Pílulas

_Alguns exercícios para driblar a insônia

Sonambulia

a gota d’água, silente,
espera.
quase jorra
quase geme
quase sente

e, nesse instante,
arde
para sempre.

Cortes

Na visão da fragilidade
me fortaleço
Preciso enxergar as feridas abertas
Para assoprar onde dói.

Garras

Uma ave de rapina
Carrega, preso às unhas,
o meu coração
pressinto a queda repentina

- numa clareira mansa
ou no olho do furação?

Ímpeto

há momentos
em que meus dedos
teimam em dedilhar
as teclas
que pertencem
ao teu número.
mesmo sabendo que ele já não existe.

2 comentários:

Sara_Evil disse...

Olha a beleza de versos que não havia visto ainda...sorrio ao lhe ver afiada contando o que brilha no teu olho, refletindo as cores dos espectros luminosos de teus insigths....me reconfortando a carencia de sono!

Grato!....

S_E

Laura disse...

Dai, bonito o que diz. bj laura