terça-feira

A teoria do amigo

Com o propósito imediato de quebrar o jejum + as boas intenções de divulgar assunto de 'utilidade pública', resolvi postar algo que não é meu, mas foi 'ponto de pauta' numa divertida discussão etílica da qual fiz parte, recentemente. Três mulheres comentavam a aridez dos períodos de meia estação (quando não estamos pegando ninguém). A mais descolada delas apresentou uma sofisticada teoria, advertindo que recorrer à nossa agenda de amigos pode ser a melhor solução nessas fases de crise - quando não estamos abertas/os a novos relacionamentos, mas também não merecemos a angústia do celibato. As outras duas tiveram reações um tanto reacionárias (confesso que não consegui pensar em nenhum amigo que se disporia ou a quem me disporia, assim de cara). Para desabalar nosso conservadorismo, ela encaminhou o seguinte email:

Acho que preciso desenvolver mais minha teoria do amigo para vocês não ficarem me achando uma pervertida. Para começar, claro que não estou falando do melhor amigo ou daquele superamigo de infância!

Tem umas opções melhores, tipo aquele amigo que sempre quis ficar com você ou aquele com quem você sempre quis ficar. Ai, meu Deus, será possível que só eu tenha alguns desses? A melhor de todas é aquela pendência, aquele cara que você gostava e que também gostava de você de uma forma esquisita e platônica, porque vocês dois estavam namorando com outras pessoas na época. Quando rola algo assim, é bem legal.

A verdade verdadeira é que quem já disse a velha frase que "sem tesão, não há solução" estava certo! Ou seja, aquele amigo-irmão, em quem não dá para pensar como alguém pegável, definitivamente, não dá caldo. Uma coisa que acho ruim de ficar com amigo é quando algum dos dois gosta mais do que como amigo. Nesse caso, a situação pode complicar sim. Fica mal resolvido, né? Fica até chato. Já com os outros, nada muda, fica tranqüilo.

Também não pensem que já fiquei com 300 amigos, foram só uns dois ou três, mas foi algo legal, sem estresse depois. No mais, bem, meninas, vamos lá, amigo é pra essas coisas também!!!

O que eu acho é que cada um deve mais é fazer o que quer da vida. Hoje li no jornal uma matéria sobre gente que não transa por opção. E acho até que eles estão certos, ora, se nem gostam de sexo! Parece que toda opção que se faz carrega uma pressão tão grande. Só que tem gente que precisa se virar quando está solteiro, certo? E, acreditem, um amigo pode ser bem melhor que um passante! Pronto, falei! :D


Bom, depois dessa, assinei embaixo. Lógico que a 'teoria do amigo' não é a solução para todos os males, também imagino que não se aplica a todo mundo (muita gente não tem amigos assim, mesmo), mas não deixa de ser uma idéia instigante. ;) Risos.

9 comentários:

Thaty disse...

Concordo com a sua amiga. O que falar daqueles nossos amigos pelos quais sempre tivemos uma quedinha e com os quais acabamos ficando quando há uma oportunidade? Já fiz muito disso nos meus tempos de solteira...rsrs

Mani disse...

Bem, eu sempre digo pra amigas recem separadas procurarem um amigo ficante, e olha que duas delas já engrenaram novo romance duradouro com amigos assim..beijos

Lidiane disse...

Eu voto na teoria do amigo pra presidente!
:)
E, sou a favor de qualquer coisa que me deixe feliz. :)
Amigo, namô, ficante...


P.S. Amo a frase que sua amiga citou: "sem tesão não há solução".
Li, há anos, um livro MARAVILHOSO do Roberto Freire (o escritor anarquista, não o político) com esse título.

Camille disse...

A teoria dela é interessante ainda que não funcione pra mim. Os meus amigos são casados (então nem pensar), a última vez que fiquei com um amigo tem mais de cinco anos e a relação mudou completamente depois. E meu último namorado tinha duzentas "amigas" e tenho certeza que ficou com (pelo menos) uma delas, pós-eu, então traumatizei né?
Beijocas.

Julie disse...

E que tal se umas apresentarem os amigos as outras?
Quem sabe alguém acaba se encontrando nessa historia?
Boa sorte!
Beijos

Sara disse...

POis sabe que eu já fiquei com um amigo. Aliás dois. Mas não eram tão amigos assim, e no fim, a coisa se encaminhou da melhor forma possível.
Mas foi só ficar, não rolou 'zexo', talvez por isso.

Bom, sei la, cada um faz o que acha melhor, o que sente melhor.

Hoje em dia to quase aderindo aquele clã que não quer fazer sexo.

Pirituaaaaaaall...
rs

beijos guria.

Vitor disse...

Essa discussão toda daria um excelente roteiro pra filme de comédia. Um filme cult, lógico! Woody Allenb total! Pense na idéia! Desenvola o texto, crie personagens. Depois veja no que dá! Alguma coisa muito boa podee surgir por aí! Eu bolei de rir só de ler o post. Não zombando de vocês, mas porque a situação em si é muito divertida. Algo parecido foi abordado num episódio de Dawon's Creek há um tempinho atrás... Acho que vc iria gostar do episódio.

Julie disse...

Saudades de te ler.
Beijinho

Laura disse...

Trocar figurinhas com amigas é ótimo, eu nunca me dei bem, mas as amigas sim.
Eu acho amigod coloridos a melhor coisa que tem. Eu já tive alguns, poucos mas mto bons.:)
E ex namorados é sempre ótimo, depois de um tempo podem virar ótimos amigos coloridos, afinal já os amamos e nos conhecem bem. Eu sou amiga de todos os meus exs, pena que estão longe snif snif ai ai
bjs laura
PS: será que assustei as meninas? hihihi eu sou da geração que não queria compromisso, fizemos história, geração 70, agora tudo está mais complicado, mas naquela época era mto simples.